Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

12075006_921871734594424_5184418932282022718_n
No comando: Gilberto E. – Produtor e Programador

Das as

51132381_113565526415154_5500677208554864640_n
No comando: No Quintal De Casa – Natal De Barros

Das 04:00 as 07:30

36975837_106803426909161_8864002249068642304_n-640x640
No comando: Sabadão Sertanejo – Jota Carlota

Das 05:00 as 08:00

53607177_122485145523192_3227887370003021824_n
No comando: Encontro Rural – Carlos Cesar

Das 05:00 as 09:00

36868164_105373253718845_613991477910962176_n
No comando: Guavira Noticias – Reinaldo Santos

Das 07:30 as 08:00

61626076_137603980677975_2383956464189308928_n
No comando: Viva a vida – Leocir Munhoz

Das 08:00 as 10:00

62079465_138890243882682_5972980468444823552_n
No comando: MÚSICA E INFORMAÇÃO – CARLOS CESAR

Das 08:00 as 11:30

51132381_113565526415154_5500677208554864640_n
No comando: O Domingo É Nosso – Natal De Barros

Das 09:00 as 12:00

dsc03725
No comando: Manhã 103 de Sucessos – Wilson Papareli

Das 10:00 as 13:00

58409907_2337066166616419_2121699506160916794_n
No comando: De Primeira – Román Laurito

Das 11:30 as 12:00

cantine
No comando: Hora 103

Das 12:00 as 13:00

rm
No comando: PROGRAMA ROBERTO & MEIRINHO

Das 12:00 as 14:00

vitrola
No comando: Guavira e as Brasileiras

Das 13:00 as 15:00

essa
No comando: Programa “Mais Música” – Edezio Vieira

Das 13:00 as 16:00

d7d3ce68-f997-4b39-b09a-c1767b7a147e
No comando: Jornada Esportiva

Das 14:00 as 20:00

53745032_122124428892597_9093203638381182976_n
No comando: Coração Sertanejo – Reinaldo Santos

Das 15:00 as 19:00

53641320_121250432313330_5541060780289425408_n
No comando: Relíquias da 103 – Reinaldo Santos

Das 16:00 as 19:00

33040184_2113612355589488_3898105776614408192_n
No comando: Anuncio da Paz – Junior Quirino

Das 19:00 as 19:30

d7d3ce68-f997-4b39-b09a-c1767b7a147e
No comando: Jornada Esportiva

Das 19:00 as 22:00

20160311__197870136
No comando: DJ GUAVIRA FM

Das 20:00 as 05:30

20160311__197870136
No comando: Automatico

Das 23:00 as 04:00

Segundo OMS, registros de infecções por malária voltam a aumentar no Brasil.

Compartilhe:
mapa

Novo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostra que o combate recente à malária abarca duas tendências que merecem a atenção de governos e especialistas: o aumento no registro de casos e a redução no número de óbitos. A estimativa é de que, em 2017, houve 219 milhões de ocorrências da doença, contra 217 milhões em 2016 e 214 milhões em 2015. Com relação às mortes, os números estimados são, respectivamente, 435 mil, 451 mil e 469 mil. O Brasil aparece no documento como um dos impulsionadores do avanço da enfermidade nas Américas. Em 2017, foram 217.928 casos, um aumento de 84% considerando os números de 2016.

Para a agência das Nações Unidas, esse cenário representa um momento de estagnação no enfrentamento à doença. “Ninguém deveria morrer de malária. Mas o mundo enfrenta uma nova realidade: como o progresso estagna, corremos o risco de desperdiçar anos de labuta, investimento e sucesso em reduzir o número de pessoas que sofrem da doença. Nós reconhecemos que, agora, temos algo diferente”, justifica Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

De 2010 a 2015, a quantidade de pessoas que contraíram malária caiu ano a ano. Com a alta dos registros, acredita-se que há a possibilidade de não serem cumpridos objetivos-chave da Estratégia Técnica Global da OMS para a Malária (ETM): reduzir as mortes e os casos da doença em ao menos 40% até 2020. Com o relatório, o órgão das Nações Unidas lançou um novo plano de enfrentamento, baseado em ações mais pontuais. “Essa resposta dará início a novos e agressivos esforços de controle da malária nos países mais afetados e será crucial para retomar o caminho de luta contra um dos maiores desafios de saúde que enfrentamos”, disse Kesete Admasu, da Aliança para Fazer Retroceder a Malária (RBM), uma plataforma global para ação coordenada contra a doença.

Em 2017, a maioria dos casos de malária ocorreu na região africana — 200 milhões (92%) —, seguida do sudeste da Ásia (5%) e da região do Mediterrâneo Oriental (2%). Cinco países da África e a Índia correspondem a quase 80% do ônus global da doença no ano passado. São eles: Nigéria (25%), República Democrática do Congo (11%), Moçambique (5%), Índia (4%) e Uganda (4%). As 10 maiores nações africanas registraram aumentos dos casos da doença em 2017 em comparação com o ano anterior, sendo que, em Nigéria, Madagascar e República Democrática do Congo, os avanços foram superiores a meio milhão de ocorrências.

Américas
No caso das Américas, o avanço dos registros se deu “em grande parte” devido ao aumento da transmissão da malária no Brasil, na Nicarágua e na Venezuela. De 2015 a 2016, o Brasil registrou uma leve queda nas ocorrências da doença de 158.963 para 133.591. No período seguinte, o aumento foi exponencial: 84%, considerando os 217.928 registros de 2017. O Ministério da Saúde foi procurado, mas não se posicionou sobre o relatório.

A região das Américas também foi a única a não registrar reduções na mortalidade em 2017, em comparação a dados de 2010. As maiores quedas ocorreram no Sudeste Asiático (54%), na África (40%) e no Mediterrâneo Oriental (10%). As crianças com menos de 5 anos fazem parte do grupo mais vulnerável, representam 61% (266.000) dos óbitos registrados no ano passado.

O relatório da OMS também destaca pontos positivos em relação ao combate à doença: neste ano, a organização certificou o Paraguai como livre de malária — primeiro país a receber o status nos últimos 45 anos. Outros três — Argélia, Argentina e Uzbequistão — aguardam retorno quanto à mesma certificação. Em 2016, a agência identificou 21 países com potencial para eliminar a malária até o ano 2020. Ela trabalha com os governos desses países, conhecidos como países E-2020, para apoiar suas metas de acelerar a eliminação.`

“O mundo enfrenta uma nova realidade: como o progresso estagna, corremos o risco de desperdiçar anos de labuta, investimento e sucesso em reduzir o número de pessoas que sofrem da doença”.
Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde.

 

FONTE: Correio Brasiliense

Deixe seu comentário: